Fechar

Política

Durante a crise

Em discurso na Câmara, Ricardo Barros defende corte do próprio salário

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 10:26 - 03 de abril de 2020

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação

A pandemia do coronavírus esvaziou o Congresso Nacional. Parlamentares votam e acompanham as sessões de casa. Mas nessa quinta-feira, 2, o deputado federal Ricardo Barros, de Maringá, foi à Câmara Federal para discursar e lançar uma proposta à nação.


O deputado propôs redução do próprio salário em 30% e de todos os servidores públicos, dos três poderes. A redução, segundo o deputado, pode ser entre 20 e 30%. O corte atingiria a todos, incluindo parlamentares, juízes e promotores. O objetivo é reunir recursos para o enfrentamento à pandemia.



"A crise atinge a todos indistintamente. As pessoas informais, que ficaram sem renda, vão receber os R$600 [...]. Aqueles que tem carteira assinada também receberão seguro-desemprego, na suspensão de contrato ou na redução de jornada. E, falta agora o sacrifício dos servidores públicos, então estou propondo cortar 30% do meu salário e de todos os outros servidores, que como eu, recebem do poder público: judiciáio, executivo, legislativo, todos os tribunais de contas, porque, afinal de contas, todos estão tendo uma grave redução de renda nesse período. E, não é justo que só os servidores públicos não tenham", explicou o deputado.



A equipe econômica do Governo Federal trabalha numa PEC (Proposta de Emenda à Constituição), que trata também deste assunto. O deputado federal Ricardo Barros é vice-líder do governo na Câmara Federal.


Veja outras matérias da CBN Maringá.



Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo