Fechar

Policial

Paiçandu

Preso, ex-prefeito nega que falsifique bebidas alcoólicas

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 14:58 - 07 de janeiro de 2020

O ex-prefeito de Paiçandu, Laurindo Palma, de 90 anos, negou à Polícia Civil que produzisse ou falsificasse bebidas alcoólicas. Ele foi ouvido após ter sido preso em flagrante, na casa dele, nessa segunda-feira, 6, em Paiçandu, norte do Paraná. No local foram encontradas diversas garrafas e itens que indicavam a falsificação de produtos - como embalagens.


Palma foi o primeiro prefeito do município, entre 1961 e 1965. 


Ele foi preso após uma operação da Vigilância Sanitária, que fiscaliza o armazenamento irregular de materiais indevidos. Só que aí, na casa dele, uma surpresa: foram encontrados os produtos de falsificação. O ex-prefeito nega, disse o delegado de Paiçandu, Matheus Ganzer.


"Eles (os agentes) perceberam que o material que se encontrava lá não era de reciclagem, e que estava sendo feita a falsificação de bebidas, enchendo vasilhames de bebidas importadas com bebidas de produção nacional e de baixo valor. O proprietário foi conduzido à delegacia, mas nega a prática, dizendo que o material lá encontrado seria descartado.", declarou.


Laurindo Palma deve passar por audiência de custódia. Como tem idade avançada e por tomar vários remédios,não deve ficar em uma penitenciária. O crime por falsificação de bebida varia entre 4 e 8 anos.


A Polícia Civil investiga se há outros pessoas envolvidas e se havia algum destino de venda.


Laurindo Palma já tinha outras passagens pela polícia.


A CBN não conseguiu o contato com a defesa do ex-prefeito.


Ouça a reportagem completa na CBN Maringá.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/Polícia Civil

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo