Fechar

Paraná

Greve

Paralisação nas escolas da rede estadual entra no terceiro dia

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 10:53 - 04 de Dezembro de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Facebook

A paralisação nas escolas da rede estadual de ensino entra no terceiro dia. Segundo o Sindicato dos Trabalhadores em Educação Pública do Paraná (APP-Sindicato), em 80% dos colégios de Maringá e região há professores mobilizados.


A categoria entrou em greve na segunda-feira (2) por causa da proposta de Previdência do Estado e por causa da decisão da Secretaria de Educação de enxugar os primeiros anos do ensino médio noturno.


O professor André Tamiozzo, dirigente de comunicação da APP-Sindicato em Maringá, diz que a proposta da previdência deveria ter sido discutida com os servidores. Sobre o ensino médio, o professor diz que muitos alunos precisam estudar à noite para cuidar de irmãos menores.


"Eu tenho casos de alunos que estudam no EJA [Educação de Jovens e Adultos] e que tiveram de sair do ensino regular exatamente pela falta de oferta da aula noturna. O ensino noturno é uma oferta que deve vir da demanda. São os alunos que procuram e nós devemos estimular a procura desses alunos e tentar resolver os problemas que se encontram lá, e não acabar. Porque se não houver matrículas nos primeiros anos, como que nós vamos ter os próximos anos de ensino noturno? De fato, inviabiliza", destaca Tamiozzo. 


O Núcleo de Educação diz que existe uma recomendação do Ministério Público do Trabalho para não estimular o trabalho infantil ao ofertar turmas à noite para alunos de 15 anos.


A CBN Maringá entrou em contato com o Núcleo de Educação. A informação é de que pela manhã o expediente no núcleo é apenas interno e que o balanço sobre o funcionamento das escolas só é concluído ao final do dia.


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo