Fechar

Geral

Covid-19

Venda online cresce e há sobrecarga; entrega pode atrasar

Publicado por Agência Estado, 13:15 - 24 de março de 2020

A corrida de consumidores às lojas físicas de supermercados que houve na semana passada, movimento comparável aos dias que antecedem o Natal, também ocorreu no mundo virtual. As duas maiores redes de supermercados do País, o Carrefour e o Grupo Pão de Açúcar (GPA), não dão detalhes de quanto cresceram as vendas online nesse período por causa da epidemia do novo coronavírus, muito menos do prazo maior para entregar os pedidos virtuais. Mas admitem que houve sobrecarga no sistema.


O Carrefour informa, por meio de nota, que notou "aumento significativo de pedidos via e-commerce". De acordo com a empresa, por causa desse "cenário de exceção é natural que o tempo de entrega acabe se estendendo um pouco".


Questionado sobre os prazos mais longos de entrega, o GPA informa, por meio de nota, que "as entregas estão sendo realizadas de acordo com a disponibilidade de datas informadas no momento da compra".


Contratações


Tanto o Carrefour como o GPA argumentam que estão reforçando as estruturas para acelerar o e-commerce. "Estamos contratando novos colaboradores", informa o comunicado do Carrefour.


O GPA está contratando temporários e o comércio online do Grupo, que atua com as bandeiras Extra e Pão de Açúcar, terá nos próximos dias um novo centro de distribuição para abastecer São Paulo e região, onde está concentrada a maior parte dos pedidos


Botijões de gás


Além de correr ao supermercado para reforçar a panela e estocar álcool em gel, os brasileiros também trataram de comprar mais botijões de gás para cozinhar.


A Ultragaz, líder na venda de gás de cozinha, registrou nos últimos dias crescimento de 10% a 15% nas vendas de botijões de gás, segundo o diretor Aurélio Ferreira.


Portas fechadas


Na segunda-feira, pequenos comerciantes e prestadores de serviços trabalhavam com as portas fechadas ou semifechadas em São Paulo. Para não quebrar, os lojistas que não têm licença para vender alimentos ou itens essenciais apostavam nas vendas por telefone ou internet.


Alguns chegavam a deixar a porta entreaberta, indicando que os clientes podiam bater e comprar um ou outro artigo de maneira rápida, sem entrar na loja."Provavelmente amanhã (terça) eu fecho as portas, em razão da quarentena", diz Lucia Souza, prestadora de serviços de lavanderia. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Agência Brasil


Quer receber nossas principais notícias por Whatsapp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo! Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo