Fechar

Maringá

Diz Sinegás

Em 2018, 20% das revendedoras de gás de cozinha fecharam em Maringá

Publicado por Nailena Faian, 17:19 - 13 de September de 2018

Em Maringá, 24 revendedoras de gás de cozinha fecharam as portas neste ano. A crise é provocada, segundo sindicato da categoria, o Sinegás, por causa de elevação do preço do produto nas distribuidoras e da concorrência com empresas clandestinas. Atualmente, a cidade tem 94 revendedoras de gás autorizadas pela Agência Nacional do Petróleo (ANP).


Conforme o sindicato, no Paraná foram 628 estabelecimentos do setor fechados neste ano. Maringá é a terceira cidade do estado que mais fechou portas. Em primeiro está Cascavel, com o encerramento de 55 revendedoras e Foz do Iguaçu, com 50.


A presidente do Sinegás, Sandra Ruiz, diz que a concorrência com vendedores clandestinos é um grande problema.


“O vendedor clandestino mudou a forma de agir. Antes, ele ficava num ponto fixo, o sindicato fazia fiscalização e 'pegava'. Hoje, ele migrou, tem caminhonete, bate de porta em porta, tornando nosso trabalho mais difícil”, diz.


Outro motivo para a falência das empresas é a elevação do preço do GLP (gás liquefeito de petróleo) nas distribuidoras. No último mês, o produto sofreu alta de 8% por conta da alteração do Preço Médio Ponderado ao Consumidor Final (PMPF) aplicada pelo Secretaria da Fazenda do Paraná.

Agora, há um novo aumento, que é o do reajuste salarial dos funcionários das distribuidoras e revendedoras de gás de cozinha, de 3%. Conforme a diretora do sindicato, várias empresas não repassaram o aumento ao consumidor final em virtude do preço praticado pelos revendedores clandestinos.


“Os ‘piratas’ vendem o produto por um preço menor. É que eles não pagam impostos e nem respeitam qualquer norma de segurança da ANP ”, enfatiza Sandra.

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/EBC

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo