Fechar

Maringá

em 2018

Delegacia da Mulher de Maringá registrou 2.414 boletins de ocorrência

Publicado por Victor Simião/CBN Maringá, 19:06 - 08 de Janeiro de 2019

A delegacia da Mulher de Maringá registrou 2.414 boletins de ocorrência em 2018. O número é 10% maior que o de 2017. Naquele ano foram feitos 2.190 BOs. Os crimes mais comuns de violência contra a mulher no ano passado foram lesão corporal, ameaça, injúria, dano e descumprimento de medidas protetivas. A delegacia não registra feminicídio porque esse crime é de competência da divisão de homicídios.


Segundo a delegada Magda Hofstaetter, por meio do dado não é possível dizer se as mulheres tomaram coragem para denunciar mais ou se foi a violência que cresceu, comentou em entrevista à CBN Maringá.

Dos 2.414 boletins feitos em 2018, 903 se tornaram inquéritos policiais. Ou seja, somente 37% do total. Para que haja a instauração de investigação em alguns tipos de ocorrências, é necessário que a vítima represente contra o agressor – o que muitas vezes não acontece, diz a delegada.



Ouça a entrevista



Maringá tem uma rede de proteção à mulher. A entidade mais destacada é o Centro de Referência à Mulher (Cram), ligado à Prefeitura. De janeiro a novembro de 2018, foram quase 1.500 atendimentos feitos. Em 2017, 1.954 casos ao todo. 


Maringá também conta com uma casa-abrigo, para mulheres em risco de morte. O local tem espaço para oito famílias, que ficam por tempo indeterminado.


Só quem sofreu violência doméstica sabe o quão ruim é. Uma mulher que prefere não se identificar falou sobre. Para ela, o serviço do município foi essencial. Em entrevista à CBN Maringá, ela pede que as vítimas não se calem.

A partir da próxima semana, o Cram atende em novo endereço, na Rua Vaz de Caminha, 160. O novo telefone é o 3293-8354. Mulheres que quiserem podem procurar o Centro. Outra opção é a Delegacia da Mulher. O telefone é o 3220-2500.


Maringá também conta com o Núcleo Maria da Penha (Numape), que funciona dentro da Universidade Estadual de Maringá (UEM). É um projeto de extensão ligado à Secretaria Estadual de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior. A entidade oferta assistência jurídica gratuita a mulheres em situação de violência. O telefone do núcleo é o 3011-5477.

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Divulgação

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo