Fechar

Maringá

Crise

Coronavírus abala mercado de prostituição de luxo em Maringá

Publicado por Fábio Guillen, 17:00 - 08 de abril de 2020

Bloco de Imagem

Algumas meninas de Maringá estão inovando nesse momento de pandemia e criando produtos online para trabalhar de casa - Foto: Ilustrativa/Pixabay

Profissionais do sexo de Maringá estão vendo seus faturamentos ruírem com a chegada do novo coronavírus. O medo do contato físico por conta da transmissão do vírus fez os clientes se afastarem das acompanhantes de luxo da cidade.


Outro problema relatado pelas meninas é o fechamento dos hotéis e motéis, locais muito usados para os encontros. Uma das meninas ouvidas pelo GMC Online, que não quis se identificar, diz que assim como os clientes, elas também têm medo de serem infectadas.



“Nós temos medo também de pegar né. E nós estamos com hotéis fechados também. O fluxo de cliente reduziu muito. Tem o risco de nós e tem o risco deles também contraírem a doença. E nós não temos renda nenhuma. Somos autônomas igual”, disse a garota de programa. Ouça a entrevista abaixo.


Uma outra garota de programa de luxo da cidade, ouvida pelo GMC Online, relatou que o faturamento caiu pela metade, mas que ainda está sendo possível para trabalhar. Ela não quis se identificar, mas disse que tem clientes fixos.



“Caiu o movimento, mas estamos tentando trabalhar normalmente. Não tendo a mesma procura de antes, mas eu trabalhando um dia ou outro. É bem difícil, viu. Não vai ser fácil passar por tudo isso não”, comentou.


Pacotes de fotos sensuais é uma alternativa



Algumas meninas de Maringá estão inovando nesse momento de pandemia e criando produtos que antes não se via no mercado de prostituição de luxo.


Uma das garotas ouvidas pela reportagem criou um pacote de fotos sensuais que é negociado caso o cliente tenha medo do contato presencial. Outra opção, criada pela garota, é o sexo por chamada de vídeo, que sai pela metade do preço de um encontro pessoal.



“Realmente está difícil porque a gente não tem outra renda no momento. Eu mesmo trabalhava dia e noite e agora é um ou outro na semana. É complicado. Alguns clientes fixos que eu confio estou propondo de enviar fotos sensuais e eles me pagam por foto. Ou tem a opção de fazer uma chamada de vídeo e aí da pra fazer o que quiser via chamada. Assim fica bom pra todos”, explicou.



As garotas de programa que atendem o mercado de luxo de Maringá não passam valores de atendimentos virtuais e nem presenciais. Cada cliente é uma negociação diferenciada.



Cartilha do Governo Federal recomenda serviço virtual



O Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos lançou este mês uma cartilha com várias recomendações, dentre elas o serviço virtual para as profissionais do sexo, que ficaram vulneráveis financeiramente com a chegada da pandemia. A ministra Damares Alves disse que é tempo de inovar.



“Mas não é na crise que nascem as boas ideias? Se tiver que trabalhar, converse com seus clientes, tente a opção do serviço virtual”, diz o texto da cartilha da ministra.


Bloco de Imagem

Damares pede home office a profissionais do sexo em cartilha do Governo Federal - Foto: Agência Brasil


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e participe do nosso grupo. Lembrando que apenas administradores podem enviar mensagens.


Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo