Fechar

Maringá

Veja os vídeos

Comerciante se queixa de flores arrancadas da calçada: ‘é revoltante’

Publicado por Letícia Tristão, 10:00 - 05 de December de 2018

"Você planta várias flores no pequeno jardim da calçada em frente ao seu estabelecimento comercial e pessoas passam por ali, arrancam a muda da planta, colocam em uma sacola e saem andando 'como se fosse normal'".


Esse é o relato de uma comerciante de Maringá que está revoltada com essa situação vivenciada por ela - e por três vezes. Priscila Nakamura fez um relato no Facebook contando que flagrou pela câmera de segurança da loja dela, localizada na Avenida Duque de Caxias, três casos de pessoas arrancando as flores do jardim que ela mesma plantou e levando embora.


Veja o vídeo do primeiro flagrante, no dia 11 de novembro:

Segundo Priscila, em outro dia, a funcionária da loja reconheceu o homem da primeira imagem e foi atrás dele pedindo explicações.



“Ele, muito sínico, falou que achou que podia pegar e que voltaria para devolver, mas nunca mais voltou”, diz.



Depois da primeira vez que as flores foram arrancadas, a comerciante plantou novas mudas na esperança de que elas permanecessem ali. A intenção, de acordo com ela, era deixar a calçada mais bonita. No entanto, ela teve mais duas decepções pela frente.


Veja os flagrantes dos dias 1º e 2 de dezembro:


“Acho que essa família se encantou com nosso jardim e resolveu levar as mudas para encantar o jardim da casa dela. E para fechar o fim de semana, essa senhora se encantou com o que restou das flores e decidiu levar também”, relata ela, irritada.



Depois de ver seu jardim ser arrancado pela raiz (literalmente) três vezes, a comerciante diz que não sabe se vai plantar novamente no local. Colocar uma placa pedindo para que ninguém encoste nas flores também é uma opção. “Acabaram com o nosso jardim. É revoltante”.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo