Fechar

Maringá

Sede em Maringá

Associação destina toneladas de embalagens de defensivos agrícolas

Publicado por Redação GMC, 11:36 - 10 de Agosto de 2018

Promover a integração entre as atividades agrícolas, preservação da saúde e do meio ambiente. Com esta política a Associação dos Distribuidores de Insumos e Tecnologia Agropecuária (Adita) está completando 20 anos. Uma referência nacional no recolhimento e destinação de embalagens de defensivos agrícolas vazias, com mais de 1.600 toneladas processadas por ano.


Presente em Maringá (onde fica a sede), Umuarama e Campo Mourão a Adita abrange área de 4,3 milhões de hectares no Paraná, o que corresponde a 21,5% do Estado. Uma referência nacional no recolhimento e destinação de embalagens vazias. São quase 200 associados, entre revendas agropecuárias, cerealistas, cooperativas e usinas. Uma parceria que tem dado certo. “Fazemos o recolhimento e o processamento desses materiais nas centrais de recebimento. As embalagens são recicladas ou vão para a incineração”, explicou o gerente Operacional da Adita, Waldir Bacarin.


Para ser reciclado,o material que chega à Adita precisa estar devidamente limpo – no campo é importante que o agricultor tenha feito a tríplice lavagem. Já aquilo que estiver contaminado é descartado, vai para a incineração. Um trabalho que já se tornou essencial para toda a cadeia agrícola produtiva. Quem garante isso é o agricultor, Flávio Baveloni, que cultiva soja e milho nos municípios de Maringá e Astorga. “Se não existisse a associação a gente ia ter que guardar os latões sujos ou queimar para dar um fim neles. Este é um trabalho muito bom que merece ser elogiado”, avaliou.


Por assessoria de imprensa.

Bloco de Imagem

Adita abrange área de 4,3 milhões de hectares no Paraná. Foto: Cleber França / Agência Movie

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo