Fechar

COLUNISTAS

Automóvel: é preciso desapegar

Player

Publicado por Gilson Aguiar, 10:05 - 06 de Fevereiro de 2019

Em entrevista a CBN Maringá, o presidente-executivo da segunda maior empresa de locação do país, Luiz Fernando Porto, fala do crescimento do setor, que em 2018 foi de 10%. Segundo ele, é possível economizar até 15% nos gastos pessoais alugando um automóvel em vez de ter.


Segundo o executivo, existem formas de substituir a posse do veículo por meios mais econômicos. O leasing de veículos pode ser uma alternativa para ter o veículo a disposição e reduzir os gastos com uma locação de um a dois anos. Com todas as condições de um proprietário, mas sem gastos com depreciação e seguro, como no veículo próprio.


Estas são mudanças importantes para o ambiente urbano e o transporte individual. As pessoas precisam romper com o culto ao automóvel. A racionalidade na relação com o veículo deve ser feita na proporção em que ele se transforma muito mais em um problema do que em solução.


Podemos diminuir a frota de veículos com o uso de aplicativos e a locação quando for necessário. Podemos reduzir os espaços ocupados por automóveis em condomínios e nas vias públicas, o carro só estará no espaço urbano quando for realmente utilizado.


Se queremos apostar em alternativas para a mobilidade, taxis, aplicativos, transporte público, bicicletas, a locação e leasing de automóveis também devem ser incentivadas. O Brasil tem se tornado um mercado inapto para o transporte individual motorizado. As próprias condições das vias públicas são uma demonstração.


Temos um número significativo de acidentes com mortes por causa, também, das condições das rodovias. Podemos afirmar que o abuso, os excessos cometidos pelos motoristas, são os principais motivadores. Mas as condições das vias tendem a agravar os acidentes.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo