Fechar

Política

Maringá

Aprovado projeto que permite visita de animais em hospitais

Publicado por Redação GMC, 15:31 - 13 de Junho de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/Câmara Municipal de Maringá

Os vereadores aprovaram, em primeira discussão, o Projeto de Lei n. 15.005/2019, que autoriza a entrada de animais domésticos em hospitais de Maringá, em visitas para pacientes internados. Uma emenda no projeto também foi aprovada, e estipula que a visita precisa ter a anuência dos demais pacientes do quarto onde esta pessoa receberá como visitante o seu bicho de estimação.


O vereador Flávio Mantovani, autor do projeto, comentou que essa lei já está em vigor no Estado, em diversas cidades brasileiras. A principal motivação para a entrada de animais em hospitais envolve a saúde de quem está internado e deseja rever o seu cachorro ou gato, ainda que por alguns instantes, durante a sua recuperação em um hospital.


“Pesquisas comprovam que a recuperação de pacientes pode ser mais rápida quando recebem visitas de familiares, amigos e de seus bichos de estimação. Os animais fazem parte da família”, disse Mantovani.


O vereador Mário Verri, que sugeriu a emenda no projeto de lei em coautoria com os vereadores Altamir Antônio dos Santos e Dr. Jamal, comparou o poder dos animais em um hospital com os resultados alcançados pelos Doutores da Alegria. “O que um paciente precisa? De mais alegria, e é isso que o bichinho de estimação trará para quem está internado. Alegria.”


Alex Chaves parabenizou pelo projeto de lei de Mantovani, destacando o trabalho relevante que o parlamentar tem realizado para a causa animal. “Eu também sou procurado por pessoas envolvidas com a causa animal e costumo atuar em conjunto com o vereador Mantovani. Parabenizo pelo pioneirismo em mais uma lei que beneficiará os animais e também seus donos.”

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo