Fechar

Policial

Denúncias

Polícia Civil investiga golpe em ‘sopão’ de Maringá

Publicado por Nailena Faian, 18:32 - 11 de Dezembro de 2018

A Polícia Civil de Maringá está investigando um golpe em que pessoas estariam se passando por integrantes de uma associação para arrecadar dinheiro para benefício próprio.


A Polícia Civil recebeu denúncias nessa segunda-feira (10) de que os homens estariam pedindo dinheiro nos semáforos com uma placa que pede ajuda para um sopão. Os policiais foram investigar o caso e se depararam com dois homens aplicando o golpe.


“Eles confessaram que não existia sopão, que o dinheiro era para eles”, diz o delegado-adjunto da 9ª Subdivisão Policial, Luiz Henrique Vicentini. A dupla foi encaminhada para a delegacia, mas, como não estava com dinheiro, foi liberada.

Em outra abordagem, os policiais encontraram outras pessoas pedindo dinheiro no semáforo em nome do mesmo sopão, que seria da Associação Nascer Viver. Nesse caso, além de estarem com a placa, as pessoas usavam um colete amarelo que identificava a associação. “Elas passaram dados da entidade e estamos aguardando o responsável entrar em contato conosco para prestar esclarecimentos”, diz o delegado.


A reportagem contatou o coordenador da Associação Nascer Viver em Maringá, José Cosme Cardoso dos Santos. Ele disse que a dupla que praticava o golpe é formada por ex-voluntários.


De acordo com ele, a associação ajuda dependentes químicos a largarem o vício e agora está iniciando o trabalho com sopão para ajudar pessoas carentes, moradores de rua e dependentes químicos.“Vamos começar na semana que vem em parceria com outra organização que já faz um sopão. Nos dias que eles não usaram a sede, vamos usar para fazer o sopão”, explica. Segundo Santos, a Associação Nascer Viver existe há nove anos e foi fundada em São Paulo.


Foto da capa: Ilustrativa/AEN

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo