Fechar

Policial

Operação Autoclave

Médicos teriam reaproveitado material descartável em até 15 cirurgias

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 09:52 - 11 de Dezembro de 2019

Bloco de Imagem

São cumpridos oito mandados de prisão temporária e 12 de busca e apreensão na Operação Autoclave. Foto: Divulgação/PCPR

Policiais civis do Paraná estão cumprindo nesta quarta-feira, 11, oito mandados de prisão temporária e 12 de busca e apreensão na Operação Autoclave que apura reaproveitamento ilegal de materiais cirúrgicos.


No alvo dos investigadores estão médicos urologistas do Paraná e de Goiás. Segundo apurou a polícia, cateteres e outros equipamentos que só poderiam ser utilizados uma vez e depois disso descartados, eram utilizados em até 15 cirurgias.


Além de médicos, uma instrumentadora cirúrgica e a secretária de um dos profissionais também são alvos da operação. Elas teriam conhecimentos das irregularidades. Os mandados estão sendo cumpridos nas cidades de Campo Mourão, Ivaiporã e Francisco Beltrão, interior do Paraná e em Goiânia e Rio Verde no estado de Goiás.


A primeira ação da Operação Autoclave foi em setembro quando uma organização criminosa foi identificada e presa em Maringá e região. Neste desdobramento os investigadores descobriram que os médicos que utilizavam os equipamentos vendidos pela quadrilha tinham conhecimento da irregularidade.


Materiais que custavam R$ 1,2 mil eram vendidos a R$ 250 e utilizados várias vezes. Os alvos da ação devem ser indiciados por associação criminosa, falsidade ideológica de documento particular e adulteração de produto destinado a fins terapêuticos ou medicinais.


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo