Fechar

Paraná

Falso Médico

Médico que atuava em Colorado não tem diploma nem da Bolívia

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 17:12 - 08 de Maio de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação

A Polícia Civil de Colorado concluiu nesta terça-feira (7) o inquérito sobre o falso médico que atuava na cidade desde novembro de 2018. A prisão de Caio Andreotti de Macedo, de 23 anos, ocorreu no dia 27 abril durante o plantão em uma unidade básica de saúde.


Era o terceiro plantão que o rapaz cumpria utilizando o registro profissional de um médico sócio da empresa contratada pela prefeitura.


O contrato firmado foi de R$ 293 mil. A denúncia foi feita pela Polícia Civil de São Paulo, que informou que um médico de Teodoro Sampaio cedeu o próprio registro para que o jovem atuasse no Paraná. O delegado Alysson Tinoco explica que durante a prisão, o jovem informou que tinha diploma de medicina da Bolívia, mas que a informação não foi confirmada.


Apesar do fim do prazo para conclusão do inquérito, que era de dez dias, a investigação continua. No documento, o jovem foi indiciado por dois crimes.


Segundo a Polícia Civil, o falso médico permanece preso porque não teve dinheiro para pagar a fiança determinada pela Justiça.


A suspeita é o que o registro do médico também estava sendo usado por mais quatro médicos do Paraná e São Paulo. Para Polícia, a secretaria Municipal de Saúde de Colorado informou que contratação da empresa foi emergencial para suprir a demanda do município.


Na UBS que o falso médico foi preso, inclusive, o atendimento está sendo de 24h por dia. Porém, o médico que venceu a licitação não possui autorização para atender no Estado, conforme registro Conselho Regional de Medicina (CRM). A CBN não conseguiu contato com a defesa do jovem preso.


Ouça a reportagem na CBN Maringá.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo