Fechar

Paraná

Missão cumprida

Shiva: Cadela da Polícia Civil do Paraná se aposenta e ganha novo lar

Publicado por Redação GMC Online, 12:56 - 04 de Dezembro de 2019

A Polícia Civil do Paraná (PCPR) selecionou a adotante da cadela policial Shiva. A mais nova veterana do canil foi levada para uma casa, em Curitiba, onde irá curtir a aposentadoria após sete anos de serviços prestados à instituição. Um amplo quintal nos fundos da residência da escrivã de polícia, Michelle Cristina Cortes Ferracini, será o espaço de moradia e lazer de Shiva.


A mudança da cadela policial da raça Pastor-belga Malinois aconteceu na sexta-feira, 29. A cachorra chegou guiada pelo policial civil e condutor de cães da PCPR, Eduardo Jabour Antonine, e logo começou a farejar o local para conhecimento da área.


Michelle conta que havia uma grande expectativa da família para receber a cadela.


“O nenê (filho da adotante) gosta tanto e eu tenho um quintalzão, então pensei, vou me inscrever”, disse.


A escrivã tem três filhos, sendo que Alexandre tem dois anos e a mais velha, Maria Virgínia, tem 21 anos.


A policial lembra que a família gosta muito de animais.


“Eu já tive de tudo, tartaruga, passarinho e cachorro”, disse ao contar das experiências com bichos. O contato de Shiva com os membros da família aconteceu no quintal da residência e envolveu o empenho da nova proprietária em fazer a cadela se sentir confortável no novo lar, já que desde os três meses de idade Shiva vive no canil da PCPR.


Shiva foi doada por um adestrador e desde filhote iniciou os treinamentos, que seguiram até à fase adulta. Durante o trabalho policial, a cachorra foi peça-chave em muitas operações, sendo eficiente em buscas por droga em ônibus e carros.


Por assessoria de imprensa da PCPR.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/PCPR

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo