Geral

viralizou

Menino de dez anos escreve carta para CEO de companhia aérea

Publicado por Folhapress, 11:29 - 12 de Março de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Twitter/Qantas

Um menino de apenas 10 anos viralizou na internet após pedir conselhos para Alan Joyce, o CEO da companhia aérea australiana Qantas.


O pequeno australiano, Alex Jacquot, fez perguntas sobre como fundar a sua própria transportadora, e reforçou na carta: "Por favor, leve-me a sério".


Joyce publicou o ocorrido nas redes sociais e se ofereceu para um encontro com o jovem empreendedor.


"Nossos concorrentes normalmente não nos pedem conselhos, mas quando um líder de companhia aérea se aproxima, não podemos ignorá-lo", dizia um tuíte no perfil oficial da Qantas.


Alex pretende ser chefe da companhia aérea Oceania Express, e quis conselhos sobre como avançar em seu negócio.


Ele afirmou a Joyce que já havia começado a pensar sobre quais tipos de aviões precisaria, número de voos e menu de alimentos, mas que se sentiu perdido para continuar no processo.


"Visto que são as férias escolares, tenho mais tempo para trabalhar. Mas não tenho nada para fazer (que eu possa pensar). Você tem alguma ideia do que eu posso fazer?" escreveu na carta. "Já que você é o CEO da Qantas, pensei em te perguntar".


Joyce agradeceu Alex pelo contato e respondeu que normalmente não dava conselhos aos competidores, mas que faria uma exceção porque também já foi um jovem que estava "tão curioso sobre os vôos e todas as suas possibilidades".


Em entrevista a uma rádio de Sydney, Alex disse que ficou tão empolgado com a resposta que correu pela casa por dez minutos. "Não consigo acreditar", disse. Os dois ainda planejam um encontro pessoalmente.

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Pixabay

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo