Fechar

Maringá

Fecomércio-PR

Vendas no varejo de Maringá encerram 1º semestre com alta de 2,45%

Publicado por Redação GMC, 14:57 - 19 de Agosto de 2019

O varejo de Maringá encerrou o primeiro semestre com crescimento de 2,45% nas vendas em relação ao mesmo período de 2018. Os dados são da Pesquisa Conjuntural da Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Paraná (Fecomércio PR). No Paraná, o aumento foi de 2,11%.


Em Maringá, os maiores aumentos foram registrados pelo segmento de “óticas, cine-foto e som” (18,51%), concessionárias de veículos (18,49%) e lojas de departamentos (15,16%). Vestuários e tecidos (10,26%) e supermercados (5,14%) também apresentaram números positivos. Veja os números detalhados abaixo, ou clique aqui.

Bloco de Galeria

Já no panorama estadual, destaque positivo para as lojas de departamentos, que cresceram 29,7% no período, além dos setores de óticas, cine-foto-som (12,08%) e combustíveis (9%).


O faturamento das empresas varejistas no primeiro semestre deste ano, no Paraná, não foi maior em função do desempenho negativo dos ramos de farmácias (-4,62%), vestuário e tecidos (-4,16%), livrarias e papelarias (-3,91%), calçados (-3,37%) e móveis, decorações e utilidades domésticas (-3,19%).


Análise regional


Entre as regiões analisadas, a única a apresentar resultado negativo foi Londrina, com -4,36%, principalmente em função da retração nas vendas de veículos, que acumularam perdas de 16,68% no primeiro semestre.


Nas demais regiões do estado o faturamento do varejo foi maior do que no mesmo período do ano passado. Em Curitiba e Região Metropolitana o comércio cresceu 4,3%; no Sudoeste, 4,04%; e na região Oeste houve alta de 3,41%. Já em Ponta Grossa as vendas aumentaram 2,79%.


Empregos


O aumento das vendas no primeiro semestre, no Paraná, não foi suficiente para a geração de novos postos de trabalho no varejo, cujo indicador fechou com leve queda de 0,20%. Setores como lojas de departamentos (19%), materiais de construção (3,7%) e supermercados (1,18%) abriram novas oportunidades, enquanto móveis e decorações (-6,36%), farmácias (-5,58%)e autopeças (-4,11%) foram os que mais demitiram no período.

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/Acim

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.


 

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo