Fechar

Maringá

Fiscalização

Receita Estadual autua postos de combustíveis em quase R$ 390 mil

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 09:23 - 31 de Maio de 2019

A 9ª Receita Estadual de Maringá fiscalizou 20 postos de combustíveis este ano na cidade e as fiscalizações resultaram na emissão de R$ 387 mil em autos de infração.


As vistorias foram realizadas entre janeiro e maio por auditores fiscais, que verificaram os estoques de combustíveis nos tanques; fizeram a leitura do número das bombas e lacraram os equipamentos.


A auditora fiscal, Rosa Fátima dos Santos, diz que os fiscais também coletaram documentos e analisaram as notas fiscais da compra dos produtos. Ela reforça que o objetivo da ação é evitar fraudes. 


Segundo Rosa, os proprietários de postos de combustíveis autuados podem recorrer das infrações.



"Juridicamente, quem tem um auto de infração aplicado a ele tem, sim, as instâncias para recorrer. Claro que se quiser apresentar a defesa, achar que não é devido o auto de infração, pode recorrer, sim, e tem o prazo legal para isso de acordo com a legislação tributária", explica. 


Ouça a reportagem



Em abril, a Receita Estadual do Paraná realizou a Operação Integrada na região noroeste. Ao todo, foram 12 postos de combustíveis fiscalizados nos municípios de Marialva, Mandaguaçu, Mandaguari, Paranavaí, Colorado e no Distrito de Iguatemi.


Durante a Operação Integrada, foram encontradas irregularidades em quatro postos de combustíveis, sendo dois de Paranavaí, um de Mandaguaçu e outro de Colorado.


As autuações lavradas somaram R$ 87,4 mil em infrações. Foram detectados 117.790 litros de etanol em estoque sem a existência de nota fiscal; 4.240 litros de gasolina aditivada e 4.348 litros de etanol vendidos sem a nota fiscal.

Bloco de Imagem

Foto: Ilustrativa/Pixabay

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo