Fechar

Maringá

Maringá

Escolinha privada com alvará vencido é multada em quase R$ 9 mil

Publicado por Carina Bernardino/CBN Maringá, 08:19 - 27 de Novembro de 2018

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/Conselho Tutelar/CBN Maringá

Na tarde desta segunda-feira (26), equipes da diretoria de fiscalização da Prefeitura de Maringá e do Conselho Tutelar vistoriaram dois locais de ensino que funcionam de forma irregular na cidade. O primeiro é uma espécie de creche clandestina, que funciona em uma residência. No local, havia mais de dez crianças e duas cuidadoras. O caso está sendo acompanhado pelo município. 


"As pessoas que estavam lá argumentaram que era uma residência e que era um estilo de creche parental, como modelos que existem na França. Mas, na realidade, a gente verificou que são atendidas de 12 a 15 crianças, no total, e foram identificadas também duas cuidadoras, o que acaba caracterizando que não são apenas familiares que cuidam, como havia sido exposto por eles", afirmou o conselheiro tutelar Carlos Bonfim.


De acordo com ele, já existe um procedimento instaurado que apura irregularidades nesse local. Agora, as informações verificadas nesta segunda também serão repassadas à prefeitura. "Uma senhora, que deixa uma criança lá todos os dias, nos informou que paga uma mensalidade. Então, isso vai ter que ser averiguado."


A outra vistoria foi feita em uma escolinha privada que está há dois anos com o alvará vencido. Segundo o Conselho Tutelar, o estabelecimento foi multado em quase R$ 9 mil. Conforme explica Bonfim, também não existe a liberação do Corpo de Bombeiros e da Secretaria da Fazenda. "É um local que não está adequado para a permanência de crianças, não pelo fato de não ter profissionais, ou por ter algum risco, mas pelo fato de não ter regularizado o alvará, como é estabelecido por lei", explicou. 

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo