Fechar

Maringá

Produtos infantis

Dia das Crianças: Ipem encontra irregularidades em 4 estabelecimentos

Publicado por Monique Manganaro, com informações de Luciana Peña , 09:06 - 10 de Outubro de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Thaiane Mello/CBN Maringá

Durante fiscalização feita pelo Instituto de Pesos e Medidas de Maringá (Ipem), foram encontradas irregularidades em quatro estabelecimentos que vendem produtos destinados às crianças. A ação foi realizada entre 30 de setembro e 4 de outubro, em 11 lojas da cidade.


Fiscais do Ipem recolheram produtos sem o selo do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro). “[Os produtos] estavam sendo comercializados sem ostentar a marca obrigatória do Inmetro, que garante que o produto está ok, atendendo as normas de segurança, saúde, e no tocante a meio ambiente também”, explicou o gerente regional do Ipem em Maringá, Michel Ravazi, em entrevista à CBN Maringá.


Segundo ele, a certificação do Inmetro é obrigatória tanto para produtos fabricados no Brasil, quanto para materiais importados.


Nos estabelecimentos onde foram encontradas irregularidades, o Ipem solicitou as notas fiscais dos produtos. Agora, os proprietários têm prazo para apresentar a comprovação fiscal e, a partir daí, o instituto rastreia o fabricante, que pode ser multado em até R$ 1,5 mi.


De acordo com Ravazi, no caso dos brinquedos, a principal orientação dada aos pais é verificar se os produtos têm o selo do Inmetro nas embalagens. “A gente costuma orientar também a [verificar] a que faixa etária esse brinquedo está destinado. Isso também é muito importante para poder garantir segurança para os filhos”, aconselha o especialista.


Ouça a entrevista completa:

Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo