Fechar

Maringá

Saúde pública

Médico do Hospital Municipal reutilizava material cirúrgico

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 07:39 - 22 de Outubro de 2019

Bloco de Imagem

Foto: Divulgação/Prefeitura de Maringá

A Vigilância Sanitária Estadual constatou, em fiscalização de rotina, a reutilização de material cirúrgico no Hospital Municipal de Maringá. Nesta segunda-feira (21), a Secretaria de Saúde da cidade divulgou uma nota em que condena a prática.


Segundo o comunicado, a secretaria vai apurar as circunstâncias em que houve a reutilização de material, o que considera um crime contra a saúde pública. O caso envolve um prestador de serviço, ou seja, um médico terceirizado.


O contrato de prestação de serviço foi rescindido. Ainda de acordo com a nota, é rotina que o médico use instrumentos próprios em cirurgias, mas estes instrumentos devem ser descartados após a cirurgia.


O Hospital Municipal informa que adota um controle dos protocolos em atendimento médico. Uma apuração interna já foi instaurada.


Na manhã desta terça-feira (22), a Prefeitura de Maringá divulgou, também em nota, a determinação do prefeito Ulisses Maia para que fosse registrado Boletim de Ocorrência contra o médico flagrado na fiscalização. 


"Por determinação do prefeito Ulisses Maia, o procurador-geral do município, Adelino Inácio Gonçalves Neto, registrou ontem à noite boletim de ocorrência contra o urologista pela reutilização de materiais cirúrgicos, que deveriam ser descartados após procedimentos".


Ainda no comunicado, a prefeitura ressaltou que os "instrumentos utilizados em cirurgias devam ser descartados, não se admitindo reuso mesmo após esterilização".


Um procedimento administrativo também foi instaurado para apurar os fatos. 


Atualizada às 8h17 para acréscimo de informações


Quer receber nossas principais notícias pelo WhatsApp? Se sim, clique aqui, e encaminhe uma mensagem informando o seu nome.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo