Fechar

Maringá

Por tempo indeterminado

Assembleia confirma greve na UEM

Publicado por Luciana Peña/CBN Maringá, 10:19 - 26 de Junho de 2019

Em assembleia realizada no Restaurante Universitário (RU), os servidores da Universidade Estadual de Maringá (UEM) aprovaram, nesta quarta-feira (26), o início da greve por tempo indeterminado.


Segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Estabelecimentos de Ensino de Maringá (Sinteemar), José Maria Marques, os portões da universidade serão fechados.


“A partir de agora, a Universidade Estadual de Maringá fecha as suas portas até o governo nos atender”, afirmou ele, explicando quais serão os próximos passos dados pelo sindicato.


“Agora vamos formar o comando de greve, vamos formar as comissões para dar corpo ao movimento. Os servidores da Universidade Estadual de Maringá, por ampla maioria, por mais de 80%, aprovaram o início a greve a partir de hoje, somando-se ao movimento estadual pela recomposição dos salários. Apenas a inflação já está acumulada em 17,4%. O governo do estado tem que dar uma resposta aos servidores. Não pode simplesmente deixar do jeito que estar”, completou.


A CBN perguntou por que uma greve em tão pouco tempo de governo e a resposta foi que o governador, quando candidato, disse conhecer a situação financeira do estado e afirmou que era possível conceder reajuste neste primeiro ano de governo.


Em nota, a assessoria do governador afirmou que “o Governo do Paraná segue aberto ao diálogo com os sindicatos dos servidores do Estado e aguarda o fim da manifestação iniciada nesta terça-feira (25) para a retomada das conversações sobre questões relativas à folha salarial do funcionalismo”.


Reportagem atualizada às 11h37, para acréscimo de informações.

Bloco de Imagem

Foto: Reprodução/Facebook/Sesduem

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo