COLUNISTAS

Eleitor é pior que os eleitos

Player

Publicado por Gilson Aguiar, 08:51 - 17 de Outubro de 2018

Nestas eleições estamos denunciando quem somos. Não há momento melhor de entender o perfil do eleitor do que nos debates políticos nas redes sociais. As ofensas abaixam o nível do debate de temas relevantes, mas que se banalizam na argumentação das discussões acirradas cheias de ofensas desmedidas.


A forma como as pessoas se expressam o que pensam, se pode chamar de pensamento, assusta. A questão não é refletir sobre a argumentação do opositor, mas exterminá-lo. Uma guerra onde vale tudo. Ações radicais encharcam a internet. Falas preconceituosas ou de estímulo à violência. Não se perdoa a mãe de ninguém. Às vezes, a própria faz parte da discussão.


Os candidatos, Haddad ou Bolsonaro, tem pouca culpa em relação ao comportamento de seus eleitores. Os dois trocam ofensas, mas nada se compara com o que os seguidores expressam no ambiente digital. O líder não tem nos liderados um controle, mas o ambiente é de descontrole. A generalização da ofensa foge ao bom senso.


As nossas expressões são a denúncia do que somos. O que preocupa não são os candidatos, eles são parte de nossas opções. O comportamento dos eleitores faz vir a tona nossa capacidade ou não de conviver com a diversidade, com a democracia, com a liberdade de opinião.


Não podemos ficar com discursos de vitimização do cidadão. Se a democracia está ameaçada é, também, por escolha do eleitor.

Compartilhe

Seja o primeiro a comentar sobre isso

* Os comentários são de responsibilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião deste site. Se achar algo que viole os termos do uso, denuncie. Leia as perguntas mais frequentes para saber o que é impróprio ou ilegal.

voltar ao topo